Investir num Hedge Fund? Boussard & Gavaudan

Dois ex-banqueiros da Goldman Sachs fizeram uma OPV para levantar capital para investir no seu próprio Hedge Fund.

Bom dia,

Hoje trago-vos uma história diferente.

Em 2002, dois tipos franceses, ambos chamados Emmanuel e ambos ex-banqueiros da Goldman Sachs, formaram, em Paris e Londres mas com sede em Guernsey (obviamente por questões fiscais), a Boussard & Gavaudan. Deram início ao seu hedge fund, que se chama Sark Fund.

Em 2006 fizeram o seguinte: lançaram uma Oferta Pública de Venda (OPV) de 50 milhões de ações, a €10 cada uma, na Euronext Amesterdão. A OPV foi comercializada por toda a Europa, inclusive em Portugal. Aqui está o prospecto em português.

A ideia deles era conseguir vender pelo menos 10 milhões de ações, mas conseguiram vender 44 milhões de ações e dessa forma angariar €440 milhões para investir no Sark Fund.

As ações cotadas na Euronext Amesterdão tiveram a seguinte evolução:

139

Uma coisa muito interessante que estes dois ex-Goldman Sachs têm feito é que têm pegado nos lucros do hedge fund e recomprado as tais 44 milhões de ações que venderam em 2006. Vejam a evolução do nº de ações:

140

E vejamos também a performance mensal e anual da Boussard & Gavaudan:

141

Estão a ganhar 6,16% em 2016 e cerca de 119% desde o início em 2006.

As ações só subiram cerca de 77% e portanto estão com um desconto significativo face ao Net Asset Value:

142

Para fechar o desconto a cotação da ação teria de subir até aos €21,96.

Outro facto interessante é que os dois Emmanuels são os maiores acionistas da empresa:

143

Eles obrigam a que pelo menos 50% dos bónus e uma parte do salário dos 60 empregados da Boussard & Gavaudan seja investido no Sark Fund, com um período de 18 meses até que possam ser vendidos, para incentivar que todos façam o melhor pela empresa.

O Fundo Master Sark é um fundo de estratégias múltiplas focado em oportunidades na Europa vocacionado sobretudo para instrumentos de arbitragem com pay-offs não lineares em situações especiais.

Perspetivas

Por um lado, quando se investe num hedge fund, fica-se sem saber bem em quê que os gestores vão investir o capital, temos apenas a performance histórica, que no caso do Sark Fund foi de 8,2% ao ano, em média, nos últimos 10 anos.

O facto das ações estarem a desconto face ao Net Asset Value (o Net Asset Value é o valor dos activos caso fossem vendidos hoje, depois de descontadas todas as despesas) dá uma confortável margem de segurança e um maior potencial de valorização.

Um ponto negativo destas ações é que têm uma fraca liquidez, por exemplo hoje ainda só foram negociados 4 210 títulos.

Existe uma enorme desconfiança por parte do público em relação aos hedge funds e à Goldman Sachs propriamente dita, mas penso ser infundada. Ou melhor, mais vale estar do lado deles que contra eles 🙂 Os Emmanuels já deixaram a Goldman Sachs há muito tempo, mas certamente que foi lá que aprenderam as estratégias que hoje aplicam no mercado acionista e de derivados, sem nunca alavancar mais de duas vezes. Essa é uma regra deles. Outra é que é proibido emitir novas ações abaixo do NAV, ou seja, só se a cotação subisse acima dos €22 (ao NAV atual) é que eles poderiam emitir e vender novas ações para investirem mais no Sark Fund. Deve ser por isso que eles têm comprado tantas ações no mercado, porque estão com um desconto significativo.

Penso que este desconto terá a ver com a aversão do público investidor a tudo o que tem a ver com Goldman Sachs e mesmo hedge funds. Mas o smart money não se importa com o que o público pensa, ou melhor, muitas vezes até gosta de ir contra as ideias do público, que na maior parte das vezes está errado.

Uma coisa que gosto nesta empresa é que os seus ativos são líquidos, é muito fácil transformá-los em dinheiro. É quase como se fossem dinheiro. Mas um dinheiro que dá rendimento, rendimento esse que é usado para comprar ações próprias. Parece-me existir aqui um ciclo virtuoso que tem todas as condições para continuar em termos de longo prazo.

Quando comecei esta análise não me parecia possível que fosse fazer isto, mas …

Conclusão

As ações da Boussard & Gavaudan vão integrar o Portfolio TOP10 Amesterdão, com 10% do capital, à cotação de fecho de hoje. 

(símbolo da Reuters: BGHL.AS)

Disclaimer  

Esta publicação é para efeitos meramente informativos e educacionais e nunca deverá ser entendida como uma recomendação de compra ou venda de ações. O BorjaOnStocks e a sua Equipa não assumem qualquer responsabilidade por eventuais perdas ou ganhos resultantes da informação obtida nesta publicação. Se necessitar de conselhos financeiros, procure sempre os serviços de um profissional devidamente autorizado e credenciado. 

Consulte o Disclaimer completo do BorjaOnStocks.