Quo Vadis BCP?

1. Introdução

Eu ainda não li totalmente o livro Integrated Bank Analysis & Valuation, mas enfim, há muitas pessoas que querem saber o que penso do BCP, nomeadamente um Membro TOP10 Lisboa que muito estimo, portanto vou analisar com as ferramentas que tenho neste momento.

2. Valor de Mercado do BCP em termos históricos

Mais do que olhar para o gráfico da cotação ao longo dos anos, que é bastante enganador por causa das alterações substanciais no nº de ações emitidas, eu quero saber qual foi a evolução da Capitalização Bolsista, ou Valor de Mercado, nos últimos 20 anos:

272

Vemos pelo gráfico que os Valores de Mercado mais elevados que o BCP atingiu foram em 2001 e 2007, ali um pouco acima dos €10.500 milhões (os valores são em termos de final do ano). O mínimo foi em 2011 nos €845 milhões e atualmente o BCP está avaliado pelo mercado em €3.135 milhões.

Há aqui dois pontos que importa referir já à partida, para evitar ilusões:

– Se o BCP porventura parar de emitir novas ações e porventura voltar ao seu valor máximo de sempre (duas assumpções improváveis, mas suponhamos), a cotação da ação seria … €0,179, ou seja, 237% acima da cotação atual. Portanto é preciso tirar da cabeça a ideia de que, se o BCP voltar a valer o que valia antigamente, no seu melhor, que haveria aqui muitos bags de lucro … não há!

– Há três e quatro anos atrás o BCP valia qualquer coisa como €900 milhões, ou seja, 29% do que vale agora. Se o mercado voltar a avaliar o banco ao mesmo valor que em 2011/2012, as ações descerão, no mínimo (porque provavelmente o nº de ações emitidas vai continuar a aumentar), 70%, para os €0,0158 por ação.

3. Valor de Mercado e Lucro Anual

Neste ponto da Análise é importante comparar o que o BCP valia em cada ano com aquilo que lucrava.

Comecemos por colocar no mesmo gráfico o Valor de Mercado e o Lucro Anual:

273

O Valor de Mercado é representado pela linha azul e a escala é a da esquerda. O Lucro Anual é representado pela linha vermelha e a escala é a da direita. Naqueles anos em que o BCP valeu mais de €10 mil milhões, também lucrou valores da ordem dos €700 milhões. Em 2011, 2012, 2013 e 2014 o BCP apresentou prejuízos, que totalizaram €3.035 milhões. No conjunto dos 20 anos do estudo o BCP lucrou €3.179 milhões.

Se considerarmos que os próximos 20 anos vão ser iguais aos 20 anos anteriores e que o BCP vai transacionar com um PER médio de 10 que é o normal para os bancos comerciais, o valor do BCP tenderá para os €1.590 milhões de euros, cerca de metade do valor atual.

O Prejuizo de 2012 foi brutal, nos €1.219 milhões de euros. Depois o prejuízo anual começou a diminuir, para €741 milhões em 2013, 227 milhões em 2014 e, no primeiro semestre de 2015, o BCP voltou ao Lucro, tendo lucrado €241 milhões nos primeiros seis meses do ano.

É curioso que a cotação começou a recuperar enquanto o prejuízo foi diminuindo, mas agora que o BCP finalmente conseguiu lucrar a cotação exibe uma tendência descendente:

274

A suspeita com que ficamos é se o lucro do 1º semestre de 2015 aconteceu devido a uma melhoria dos fundamentais intrínsecos ao banco ou se foi por fatores externos ou extraordinários não repetíveis no futuro.

Para investigar esta questão, recorro ao último Relatório de Gestão.

4. Relatório do 1º Semestre de 2015

Finalmente, na página 48, encontro a informação que procurava:

275

O valor da Dívida Pública Portuguesa subiu muito por causa do programa de Quantitative Easing do BCE e o BCP, que normalmente detém a dívida pública até à maturidade, recebendo por isso o juro anual, optou por tomar estas mais-valias e assim conseguir apresentar lucros na primeira metade de 2015. Mas não é provável que este tipo de oportunidades surja de forma recorrente no futuro.

De qualquer modo quero referir que as operações internacionais do Grupo Millennium bcp, que estão apresentadas de forma exemplar no Relatório de Gestão do 1º Semestre, me parecem valiosas, promissoras e com crescimento sustentado:

276

5. O Caso do Novo Banco

O BCP detém 20% de responsabilidades no Fundo de Resolução do Novo Banco, que está orçado em €4,9 mil milhões, dos quais €3,9 mil milhões foram emprestados pelo Estado. No processo de venda foram consultados muitos potenciais investidores de peso internacionais e no final ficou a Fosun que acabou de divulgar a sua última proposta de compra pelo Novo Banco, que se ficou pelos €1,5 mil milhões. O Banco de Portugal decidiu não aceitar esta proposta, dizendo que o seu valor mínimo para a venda são €3 mil milhões, e adiou o processo para depois das Eleições.

Se o Novo Banco fosse vendido pelos €1,5 mil milhões oferecidos pelo mercado, o prejuízo do Fundo de Resolução seria de €3,4 mil milhões e, atendendo às palavras do Primeiro Ministro Passos Coelho no debate com o candidato do PS António Costa, quando referiu que eventuais prejuízos na venda do Novo Banco teriam de ser suportados pelo sistema financeiro nacional, a fatia deste prejuízo que caberia ao BCP seria de €680 milhões de euros.

É preciso lembrar que o Novo Banco é uma instituição limpa de ativos tóxicos (em princípio), esses ficaram no “banco mau”, o BES. O Novo Banco tem também uma operação internacional de sucesso como o Millennium bcp e cerca de 2 milhões de clientes em Portugal. O BCP tem 2,3 milhões de clientes em Portugal.

Numa análise simplista eu poderia afirmar que se o mercado avaliou o Novo Banco em €1,5 mil milhões, o BCP, que tem mais 15% de clientes em Portugal, valerá qualquer coisa como €1.725 milhões … O Novo Banco tem o risco de litigância com a Goldman Sachs e os Lesados do BES e o BCP tem o risco de ter de suportar parcialmente o prejuízo na venda do Novo Banco (entre outros riscos), nesse aspeto também há alguma semelhança entre as duas instituições. Aliás, em toda a história destes dois bancos na Bolsa em Portugal, salvo raras exceções, o BCP sempre valeu um pouco mais do que o BES, pelo que o valor de €1.725 milhões para o BCP poderá fazer algum sentido.

6. Conclusão

Esta é uma análise simplista, que exclui muitos fatores que influenciam a avaliação do BCP. Mas é aquela que eu posso fazer nesta altura, no tempo que tenho (dediquei cerca de 5 horas a esta análise). Com o tempo voltarei naturalmente ao BCP para aprofundar a análise.

Para um valor de €1.725 milhões a cotação seria … €0,029. Acima deste nível não sinto atração pelo BCP e mesmo se e quando lá chegar … é preciso ver se a tendência da gestão para continuar a emitir novas ações pára!

Eu até consigo ver o valor e o potencial de crescimento de longo prazo do BCP, mas precisava de duas condições necessárias (mas não suficientes) para considerar as ações para investimento:

– Um valor de mercado inferior a €1.800 milhões;

– Um ano em que não haja qualquer aumento de capital ou emissão de quaisquer novas ações (por conversão de obrigações ou outros instrumentos convertíveis). Simplesmente o nº de ações emitidas tem de estabilizar, senão a cotação tem de descer só para manter o valor de mercado do banco.

Certamente que vão existir vários rebounds técnicos, uns maiores, outros mais pequenos, mas por mim fico à espera do BCP ali na zona dos €0,028 que é o mínimo histórico da cotação (não confundir com mínimo do valor de mercado):

277

7. Disclaimer

Esta publicação é para efeitos meramente informativos e educacionais e nunca deverá ser entendida como uma recomendação de compra ou venda de ações. O BorjaOnStocks e a sua Equipa não assumem qualquer responsabilidade por eventuais perdas ou ganhos resultantes da informação obtida nesta publicação. Se necessitar de conselhos financeiros, procure sempre os serviços de um profissional devidamente autorizado e credenciado. 

Consulte o Disclaimer completo do BorjaOnStocks.