Consumidores açambarcam óleo de girassol, Deoleo dispara

Bom dia caros Subscritores,

Tenho visto a maior do mundo do azeite, a Deoleo, a “bombar” nas últimas sessões…

Consumidores açambarcam óleo de girassol, Deoleo dispara 1 - Borja On Stocks

…e fiquei a pensar que era algum efeito passageiro relacionado com a guerra na Ucrânia, mas numa investigação preliminar de 1/2 hora, fiquei com dúvidas de que fosse isso.

Vou então passar as próximas duas horas a analisar a Deoleo, começando por reler as análises anteriores para entrar bem no contexto:

Em primeiro lugar, verifico que nem a Rússia, nem a Ucrânia, são relevantes na produção de azeite:

Consumidores açambarcam óleo de girassol, Deoleo dispara 2 - Borja On Stocks

Isto significa que não há constrangimentos na oferta de azeite, pelo que em princípio não haverá motivo válido para uma expressiva subida de preços. O principal e quase exclusivo input para a produção de azeite são as azeitonas, que vêm das oliveiras, cuja dispersão geográfica é a seguinte:

Consumidores açambarcam óleo de girassol, Deoleo dispara 3 - Borja On Stocks

Não há oliveiras na Ucrânia ou na Rússia.

Agora que penso nisto, recordo-me de ter lido ou visto uma notícia qualquer em que a ministra da agricultura, Maria do Céu Antunes, falava do azeite… vou pesquisar. Aqui está:

A ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, reafirmou que, devido ao atual conflito militar entre a Rússia e a Ucrânia, não haverá racionamento de alimentos no país

Fica a ideia de que vinha muito azeite da Rússia/Ucrânia, mas que não vamos ter problemas em Portugal porque tivemos um ano recorde de produção interna. Mas a realidade é que já não vinha qualquer azeite da Rússia/Ucrânia.

Será que é este género de desinformação que está a impulsionar a Deoleo?

As fontes que me indicam o preço do azeite têm algum delay, mas não vi qualquer indicação ou notícia de que o preço do azeite tenha subido nas últimas semanas.

Entretanto, no dia 25 de fevereiro, ou seja, um dia depois do início da invasão da Rússia à Ucrânia, a Deoleo apresentou os seus resultados do 2º semestre e do ano completo de 2021:

Consumidores açambarcam óleo de girassol, Deoleo dispara 4 - Borja On Stocks

O Lucro pertencente aos acionistas foi de 30,9 M€ e a minha expetativa, expressa na análise anterior, era a seguinte:

A Deoleo está por 156 M€ e deverá lucrar cerca de 36 M€ neste ano de 2021, o problema é que 49% deste lucro irá para minoritários, ou seja, ficam cerca de 18,4 M€ para os acionistas, o que coloca o PER21 nos 8,5.

Ficamos com a ideia de que o lucro para os acionistas foi superior ao previsto, pois eu antecipava 18,4 M€ e foi 30,9 M€. Só que, lendo os comentários que acompanham a demonstração de resultados, vemos o seguinte efeito extraordinário:

Consumidores açambarcam óleo de girassol, Deoleo dispara 5 - Borja On Stocks

O Lucro recorrente em 2021 foi de 16 M€, abaixo dos 18,4 M€ esperados e abaixo do Lucro recorrente de 57 M€ em 2020. A Deoleo é uma small cap pouco seguida pelos analistas, mas vamos ver como estão as estimativas nesta altura:

Consumidores açambarcam óleo de girassol, Deoleo dispara 6 - Borja On Stocks

Estão algo contidas.

O que melhorou em 2021 foi o Balanço, com a dívida líquida a diminuir 20,2%, para 119,8 M€:

Consumidores açambarcam óleo de girassol, Deoleo dispara 7 - Borja On Stocks

À cotação atual de 0,4144 € e considerando as 500 milhões de ações emitidas, o valor de mercado da Deoleo está nos 207,2 M€. Tendo em conta que a empresa lucrou, sem efeitos extraordinários, 16 M€ para os seus acionistas em 2021, o PER21 está nos 13, o que me parece uma valorização ajustada para a Deoleo, que tem um track record deplorável e por tal não merece um múltiplo de valorização acima da média.

Neste ponto da análise permanecia uma sensação de que me estava a escapar algo, pelo que fui pesquisar notícias em língua espanhola… encontrei por exemplo esta:

Fui ali ao escritório ao lado para a Catarina me explicar as diferenças entre azeite e óleo de cozinha, sendo que os espanhóis chamam “aceite de girasol” ao óleo de girassol.

A Catarina explicou-me que é necessário algum tipo de “gordura” para cozinhar e que em alguns alimentos é vulgar utilizar-se azeite e noutros óleo. Por exemplo, um bacalhau à lagareiro é feito com azeite e batatas fritas é com óleo. Ela disse-me também que nos países mediterrâneos usamos mais azeite e nos países do norte da Europa usam mais óleo.

Aparentemente a Rússia e a Ucrânia são dos maiores produtores do mundo de óleo de girassol (em 2018 a produção destes dois países foi 53% da oferta global) e os consumidores, que se calhar estão mais atentos às notícias da guerra do que eu, começaram a açambarcar esse produto, levando os supermercados a racionar a oferta:

A sementeira das sementes de girassol seria feita em março na Ucrânia e consequentemente está posta em causa pela guerra.

Aparentemente a expetativa daqueles que compram ações da Deoleo é que, na falta de óleo de girassol, os consumidores, nomeadamente os da Europa do Norte e possivelmente de outras regiões do globo, se virem para o azeite. Os produtos são algo substitutos, mas enfim, é um long shot, até porque não creio que as sanções à Rússia englobem os produtos alimentares, serão mais os produtos petrolíferos e os países que produzem os restantes 47% da oferta global terão todo o interesse em aumentar a produção para suprir a falta da oferta ucraniana.

Esta situação faz-me lembrar aquela em que, no confinamento relacionado com o novo coronavírus, os consumidores começaram a açambarcar papel higiénico e outros produtos nos supermercados… a escassez acabou por durar pouco tempo, com a situação a normalizar-se nos meses seguintes.

Conclusão

A situação da Deoleo intrigou-me o suficiente para a escolher para análise de Madrid desta semana, mas tal como não vendi nenhuma ação por causa da guerra na Ucrânia, também não me estou a ver a ir atrás de temas deste género e comprar ações devido aos impactos da guerra, que tenho esperança que termine mais cedo do que muitos imaginam.

Se bem que, quem apanhou a Deoleo mesmo no início, tem aqui um boa mais-valia para tomar:

Consumidores açambarcam óleo de girassol, Deoleo dispara 8 - Borja On Stocks

Disclaimer

Esta publicação é para efeitos meramente informativos e educacionais e não deverá ser entendida como uma recomendação para comprar ou vender ações.

Se entender esta publicação como uma recomendação, tenha em conta que ela é generalista e poderá não ser adequada ao seu perfil de risco, que é único. A sua situação financeira individual não foi tida em consideração pelo Autor da análise, que desconhece o perfil de risco e objetivos de cada um Subscritores do Borja on Stocks.

Se necessitar de conselhos financeiros personalizados, procure sempre os serviços de um profissional devidamente credenciado e autorizado pela CMVM.

O Borja on Stocks e a sua Equipa não assumem qualquer responsabilidade por eventuais perdas ou ganhos resultantes da informação obtida nesta publicação.

Esta publicação é propriedade intelectual de BBTOP20 – Produção de Conteúdos, Lda e destinada apenas aos Subscritores do site Borja on Stocks. As informações e opiniões contidas nesta publicação são confidenciais. É proibida a sua transmissão ou difusão, em todo ou em parte, sem autorização expressa.

Consulte o Disclaimer completo do Borja on Stocks.

Outras análises à mesma empresa

Artigos Relacionados

ANÁLISES MAIS RECENTES

Bem-vindo de volta!

Recupere a sua palavra-passe

Por favor, insira o seu nome de utilizador ou email para redefinir a sua palavra-passe.

Iniciar sessão